1º SEMINÁRIO DE MEIO AMBIENTE

Evento, que foi aberto oficialmente nesta terça-feira, se estenderá até o dia 31

Foi iniciado,  nesta terça-feira, 29 de julho, no Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé, o 1º Simpósio de Meio Ambiente, que conta com a parceria da AMOG e visa conscientizar tanto a comunidade acadêmica, quanto a população, em geral, sobre a necessidade de preservação do Planeta. Na abertura, que contou com expressiva presença de autoridades, ficou evidente a preocupação da faculdade guaxupeana" e da “Associação dos Municípios” no sentido de contribuir, solidamente, para  a preservação ambiental.

O simpósio, que é organizado pelo Centro de Educação Ambiental  criado, recentemente,  no Unifeg, e pela  coordenação de Pós-Graduação, Pesquisas e Extensão (da escola), consta de palestras sobre assuntos gerais, dentro do tema central. “No semestre passado, criamos o Centro de Educação Ambiental, que está ligado à Coordenação de Pós. Então, o professor Cássio Murilo, que está à frente deste Centro, propôs esta parceria com a Amog, a qual trouxe importantes palestrantes de Belo Horizonte e, nós, do Unifeg, contribuímos com nossos docentes”, explicou a professora Ana Cláudia Pinto Corrêa, coordenadora da Pós/Unifeg, que é uma das principais responsáveis pela realização da atividade em questão.

Na abertura oficial, representantes da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Ministério Público de Guaxupé, Feam/MG, IOF regional, além de órgãos ambientais e políticos, em geral, marcaram suas presenças. O deputado estadual Antônio Carlos Arantes, que se destaca pelas ações ambientais, discursou: “Trazer esta grande discussão é uma ação importante do Unifeg e do poder público, via Amog. Falar sobre resíduo sólido no Brasil é discorrer sobre um grande problema! Para se ter uma ideia, podemos falar que mil e novecentos lixões, até o ano passado, ainda estavam a céu aberto no Brasil. Há, por outro lado, o fato de que hoje existe mais de um milhão de pessoas que trabalham com reciclagem. O ideal seria que estas pessoas tivessem renda suficiente e não precisassem buscar o reciclável. Aí, a reciclagem passaria a ser feita pelo próprio cidadão, em sua casa. Contudo, ainda há uma falta de cultura grande no Brasil, dentro das famílias. A verdade é que o prazo vence agora, e quase dois mil municípios apresentam problemas sérios com o lixo”, refletiu o parlamentar, que se uniu a vários prefeitos, também presentes, para debater o meio ambiente.

Por parte da comunidade acadêmica, alunos e professores estiveram muito animados neste primeiro dia: “O curso de Biologia está sempre trabalhando a conscientização. Então, aqui estamos para contribuir com o que for preciso. Aliás, os assuntos que serão discorridos neste Simpósio são de suma importância para a humanidade. Isto, porque todos nós estamos inseridos no meio ambiente e, então, precisamos nos conscientizar sobre o uso ideal de tudo isto. Que a população, em geral, aproveite esta oportunidade”, recomendou o professor Edvânio Ramos Rodrigues, coordenador de Ciências Biológicas do Unifeg.

Entre os congressistas, as expectativas são as melhores: “Estou muito atento, nos últimos dias, a tudo o que trate de resíduos sólidos e poluição. Por isto, como trabalho com coleta de óleo e reflorestamento de APP, sei que aqui aprenderei bastante e penso, até, em propor um projeto em parceria com o Unifeg”, disse o ambientalista Domingos dos Reis, da Associação Anjo dos Rios, de Guaxupé. “Como aluno de doutorado da Universidade de Franca, desenvolvo uma pesquisa onde faço relação entre as cidades da Amog, a saúde e o meio ambiente. Assim, este Simpósio torna-se muito importante, pois os debates têm por hábito amadurecer as ideias. Faço parte de uma comissão, formada pela Prefeitura, para a implantação do tema ‘saneamento ambiental’, pois vem aí o novo Plano de Saneamento Ambiental e pretendemos implantá-lo em Muzambinho”, completou o estudioso Márcio Pioli, que trabalha no Instituto Federal de Muzambinho.

Já o secretário Municipal de Educação em Guaxupé, Rodrigo Luís Borges, externou a importância da Educação como meio de transformação social: “Acima de tudo, temos de pensar que o Brasil é um ‘celeiro de ideias’, mas boa parte das pesquisas, lamentavelmente, tem permanecido dentro das universidades, sendo que o público, em geral, não tem acesso a ela. O Simpósio é importante para que a população comece a se conscientizar sobre dados científicos, números reais e informações que vão ao encontro da mudança de comportamento. Isto, para que utilizemos políticas certas para reflorestamento, descartes de lixo, reciclagem, e tudo o que compete à população”, disse Rodrigo.

Também o pró-reitor acadêmico do Unifeg, professor Antônio Carlos Pereira (Tataio), manifestou sua opinião sobre o evento: “É um tema relevante para Guaxupé, a própria região, o Estado, Brasil e o mundo. Por isto, parabenizo a Amog e o Unifeg pela iniciativa e reafirmo que nosso propósito, enquanto instituição de ensino, também é este: propor debates, reflexões e diálogos para que contribuamos com a melhoria da qualidade de vida das pessoas”, disse o dirigente. CLIQUE AQUI e acesse todo o conteúdo do 1º Simpósio de Meio Ambiente– Unifeg e Amog 2014 (que se estenderá até este dia 31 de julho). – VEJA, no site www.unifeg.edu.br, outras informações sobre o Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé. (Fotos desta matéria: Aline Fernandes / Gisele Silva)

matéria: Carlos Alberto / Jornal JOGO SÉRIO / Guaxupé - jornaljogoserio@gmail.com

 

Veja os vídeos da TVSul de Guaxupé:



 

 

 

 

 

 

Espalhe essa notícia

home